Ouça Orli Ricardo

quarta-feira, 9 de março de 2011

Reportagem Especial: Dia Internacional da Mulher

MULHERES DE FIBRA E SUCESSO, CARACTERÍSTICAS QUE SOBREVIVEM AO TEMPO
Maria Clara dos Santos: Um exemplo de Mulher!
Manhã fechada. A cerração cobre parte da cidade, o sol ainda não apareceu, mas na casa de Dona Maria Clara dos Santos o trabalho já começou faz um bom tempo. Dona Maria é exemplo de dedicação carinho e amor. São 80 anos de muitas conquistas e realizações, boa parte deles dedicados a criação de seus 9 filhos e 12 netos, seus maiores presentes.

Natural de Campos Novos passou sua infância na localidade Fundo do Aranha no interior do município. Juntamente com seus pais, veio para a cidade aos 18 anos em busca de melhores condições de vida. “No sítio passamos falta de tudo, íamos morrer na situação em que estávamos”, disse Dona Maria.

Ao chegar na cidade casou-se com um conhecido da família, José Liberal Santos, seu primo-irmão. Dona Maria lembra que nessa época os pais incentivavam o casamento com pessoas conhecidas, sem ao menos pensarem nos possíveis problemas. “Naquele tempo era comum esse tipo de união, as qualidades vistas num bom companheiro eram analisadas pelo pai”, afirma a senhora.

O tempo passou e vieram os filhos. E neles as conseqüências dessa relação. Mas alguns de seus filhos vieram ao mundo com sérios problemas. Sendo que dois deles nasceram cegos.

As crianças cresciam e as dificuldades aumentavam. Dona Maria e Fátima, sua filha mais velha, com 10 anos, trabalhavam como doméstica, já seu esposo, custava conseguir emprego. Em meio a tantas adversidades, Dona Maria procurava através de muita conversa tranquilizar seu marido e filhos, nunca se deixou abater. “Sempre disse, não adianta se lamentar, quanto mais pra trás agente fica, mais difícil é de se alcançar”, declara.

Edgar e Vera, que nasceram com deficiência visual, reagiam de formas diferentes essa dificuldade. Na infância, Edgar frequentou uma instituição especializada, aproveitou bem esse período, se interessou pela música e aprendeu tocar acordeom. Vera por sua vez, levou muito tempo para aceitar essa realidade, não quis frequentar a mesma instituição do irmão, levava uma vida pouco sociável.

A lutadora Maria viu seus filhos crescerem, seguirem destinos diferentes e tornarem donos de suas próprias vidas. A batalha continuava, e algumas perdas significativas davam um novo sentimento à família Santos. 

Esse contexto teve início com a morte de sua mãe, poucos anos depois seu pai, que morava em sua casa, também acabou falecendo. Mas, não foram somente as perdas dos pais que causaram as dores da Dona Maria. A morte do esposo, por complicações cardíacas, as mortes de dois filhos, João Carlos e Elizete deixaram ainda mais sofrida a sua vida.

Já em 1995, com os netos sob sua responsabilidade, Dona Maria, com o objetivo de adquirir mais renda decide alugar um cômodo de sua casa para um desconhecido, que instalou ali uma produção de algodão doce, por pouco tempo. A peça alugada incendiou e o fogo se alastrou por toda a casa, causando destruição total na residência. O homem fugiu da cidade sem deixar informação e sem assumir a responsabilidade pelo ato.

Mais uma prova literalmente de fogo para Maria Clara dos Santos, que através da ajuda de parentes e amigos conseguiu reerguer a sua casa, deu aos filhos e netos um novo lar. Com a dignidade e força que venceu na vida, Dona Maria ultrapassou mais essa adversidade, sem deixar apagar uma chama em especial, a chama do amor.

AS LUTAS E CONQUISTAS DA MULHER BRASILEIRA

No dia 8 de março de 1857, o fogo figurava mais uma vez como personagem principal de uma história chocante. Mudou-se o cenário, não ocorria em Campos Novos e tampouco na casa de Dona Maria. Era Nova Iorque. Operárias de uma fábrica de tecidos fizeram uma grande greve reivindicando melhores condições de trabalho. Exigências como redução na carga diária de trabalho; reajuste de salários com os homens; tratamento digno no ambiente funcional; compunham os pontos levantados.

O desfecho dessa manifestação foi trágico. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Mais de cem tecelãs morreram carbonizadas, numa atitude totalmente desumana.

Mas, somente no ano de 1910, mais de 50 anos depois do acontecido, numa conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem as mulheres mortas em 1857.

O dia 8 de março passou a ser um marco do triunfo feminino, porém, é no dia-a-dia que as mulheres confirmam a conquista do seu espaço e da independência na sociedade. Sua liberdade é adquirida progressivamente, tanto é, que se observa nas suas próprias ideologias e atividades exercidas, atividade estas que por vezes, eram executadas somente por homens.

A mulher atual adquiriu essa igualdade, depende apenas de si, leva a vida baseada em seus direitos e valores. Busca apresentar o melhor de sua essência numa sociedade cada vez mais disputada, deixando de lado a fragilidade e preconceito que ainda sofrem, para lutar por suas realizações.

A evolução da mulher na sociedade foi construída por elas ao desenvolver os seus potenciais e superar os seus limites. Ao agir as mulheres fizeram transformações ao longo da história, passaram do papel de donas do lar, submissas e recatadas, a mulheres dinâmicas, alcançando um resultado único e individual. Este caminho foi construído livremente, interagindo de forma consciente e consequente consigo mesma, com os outros, com a natureza, com o Universo.

Uma das mais significantes conquistas da mulher brasileira ocorreu em 1932. Quando as mesmas passaram a ter voz ativa na sociedade, adquirindo o direito do voto.

Hoje Dona Maria carrega o sentimento de que fez tudo o que podia. No entanto, após tantas lutas e tantos sofrimentos ela ainda se sente responsável pelo cuidado de seus filhos e netos que para ela serão suas eternas crianças.

Obs: Essa é a Postagem 100 do Blog!!! E não poderia ser em melhor estilo. Uma homenagem às mulheres de todo o Brasil, na figura de Dona Maria, Um exemplo a ser seguido!exemplo a ser seguido!!!

Um comentário:

  1. MARAVILHOSA HOMENAGEM,DONA MARIA E REALMENTE UM EXEMPLO DE MULHER BATALHADORA...PARABENS PELA MATERIA...BJAO

    ResponderExcluir

comente aqui

No seu rádio